Como “O Nascimento de uma Nação” perdeu o convite para a festa do Oscar

DaniPrandi_0188c_500Depois do “Oscar branco” de 2016, a expectativa em torno de filmes com temática e elenco negro que poderiam ser incluídos na festa de Hollywood do ano que vem só aumentava. Era preciso preencher, digamos assim, a “cota”, e muitos respiraram aliviados quando “O Nascimento de uma Nação”, no Festival de Sundance, saiu duplamente vencedor, com os prestigiados Grande Prêmio do Júri e Prêmio do Público, em janeiro. Mas a estreia na direção do ator negro Nate Parker, de 36 anos, que também é o produtor e protagonista do filme que reconta, do ponto de vista dos negros, uma violenta rebelião de escravos em 1831, sofreu um revés. Depois de tanta comemoração, hoje é pouco provável que o diretor receba um convite para a festa do Oscar.

O filme foi celebrado pela crítica e sua presença nas principais categorias do Oscar, que não contou com diretores e atores negros nesta temporada, era dada como certa. Mas, até então, ninguém da indústria do cinema sabia que seu criador havia respondido a um polêmico processo por estupro durante sua vida universitária, em 1999, tema de uma ampla reportagem da revista Variety em agosto. Parker e seu colega Jean Celestin, coautor do filme, acabaram absolvidos, mas o caso terminou de maneira trágica, com o suicídio da vítima, em 2012.

nascimento-de-uma-nacao-4O filme foi boicotado após a acusação contra o diretor de que no passado cometeu estupro

A triste coincidência é que, em “O Nascimento de uma Nação”, são justamente os estupros e abusos que as jovens negras sofriam de seus senhores que acabam por desencadear uma intensa rebelião nas fazendas de escravos da Virginia, no sul norte-americano. Depois que o caso Parker-Celestin foi revelado, surgiram críticas negativas ao trabalho e, posteriormente, o filme foi desaparecendo de cena e da mídia enquanto grupos feministas intensificavam campanhas pelo seu boicote.

Mas, independentemente do caso de estupro, vale destacar que “O Nascimento de uma Nação” não foi premiado em Sundance por acaso. O filme, um dos lançamentos da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, tem interpretações seguras e é envolvente, apesar do tom convencional. Por pura provocação, apropria-se do título do clássico de 1915 de D. W. Griffith, tido um dos mais filmes mais racistas de todos os tempos, para contar a história de Nat Turner, um jovem escravo que aprende a ler praticamente sozinho, deleita-se com as palavras da Bíblia e acaba assumindo o papel de um pregador na senzala.

nascimento-de-uma-nacao-2O  escravo Nat Turner ( Nate Parker) aprende a ler sozinho e vira um pregador na senzala

Por causa do seu dom da oratória, Nat é usado por seu senhor como instrumento para apaziguar os ânimos dos escravos famintos, maltratados e violados das fazendas da região. E é claro que seu senhor recebe um bom dinheiro por isso. Um dia o jovem conhece e se apaixona por uma jovem escrava, Cherry (Aja Naomi King), casa-se e tudo ia mais ou menos bem até que a moça é violentamente estuprada por caçadores de escravos fugitivos.  O pastor informal transforma-se e sai em busca de vingança. Passa a organizar uma rebelião e volta às fazendas onde antes havia pregado a aceitação para incitar a revolta.

O líder rebelde, que se vê como um escolhido de Deus e enxerga, na Bíblia, sua missão de libertar os escravos, tornou-se um dos mártires da história dos negros norte-americanos, um personagem que atravessou os tempos sempre presente em livros, músicas e, agora, no cinema. A história registra que, entre os dias 21 e 23 de agosto de 1831, todos os negros que se envolveram na rebelião foram mortos e, posteriormente, outros tantos foram assassinados para “limpar” a área de qualquer tipo de influência que poderia ter sido deixada por aquela fagulha de desejo de liberdade. Entre os senhores de escravos e suas famílias foram registradas 60 mortes. No filme, as cenas de batalha são muito bem feitas, assim como a caracterização de alguns personagens.

nascimento-de-uma-nacao-3
Depois que sua mulher foi violentada, o “pastor”  sai em busca de vingança e organiza rebelião

Em “O Nascimento de uma Nação” de 1915, tido como um dos embriões da Ku Klux Klan, o ponto de vista é da elite branca e o contexto está na Guerra da Secessão (1861-1865), que mostra os negros como perigosos, desleais e preguiçosos. Na versão de 2016 são os negros que contam a história e, assim, os brancos são mostrados como bêbados, violentos e… estupradores.

TRAILER

 

 

Sobre Daniela Prandi

Daniela Prandi, paulista, jornalista, fanática por cinema, vai do pop ao cult mas não passa nem perto de filmes de terror. Louca por livros, gibis, arte, poesia e tudo o mais que mexa com as palavras em movimento, vive cada sessão de cinema como se fosse a última.

Check Also

Ryan Gosling é o caçador de replicantes K (Foto Divulgação)

Em “Blade Runner 2049” voltamos ao passado para encontrar luz para o futuro

Nem parece que passou tanto tempo. Em 1982, Ridley Scott mudou a história com “Blade …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *