Criador & criatura

carlaozinho_0256_1200x600Sabe aquela história “eu mesmo invento, depois fico com medo”? Bem, nem tudo é invenção, mas que fiquei com medo, fiquei. E o episódio me ensinou que mentir, mesmo que um pouquinho, na nossa profissão, não só é pouco ético, como consegue até ser perigoso. O povo da Vila Costa e Silva ligava sem parar na redação do saudoso Diário do Povo, denunciando um cara que aprontava todas, de roubo de carros a cantadas em mulheres alheias.

Detalhe: montado num garboso cavalo branco.

Partimos pro bairro. Colhemos pilhas de relatos escabrosos da comunidade. Só que nada do malfeitor. Na delegacia, monte de BOs… de “autoria desconhecida”. De volta à redação, premido pelo dead line, não vi outra alternativa a não ser tascar: “Cavaleiro da Costa e Silva aterroriza o bairro”. Ora, não era de tudo ficcional: o Cavaleiro da Costa e Silva indubitavelmente existia; apenas não conseguimos encontrá-lo naquele “esforço de reportagem”.

Crédito Jay Mantri (Shutterstock)
Crédito Jay Mantri (Shutterstock)

Madrugadas depois, estava eu no boteco, sozinho numa mesa de fundo. A luz se eclipsou por um sujeito enorme, bigodão hirsuto. Vozeirão: “Peguei teu papo com o garçom, ouvi que tu é jornalista e ele te chamou pelo nome do repórter que escreveu sobre o ‘Cavaleiro da Costa e Silva’…”

E eu, sabendo que ia me arrepender: “E você, quem é?” Vozeirão ao quadrado: “O Cavaleiro da Costa e Silva!” Comecei a articular: “Olha…”

Interrupção: “Fica frio. Gostei da matéria. Meu ‘cartaz’ na ‘boca’ tá feito! Brigadão, hein?”

Antes de sair, o inesperado caubói de pós-meia noite fez questão de deixar uma cerveja paga. Minha goela trêmula agradeceu.

Não, nem vi se ele foi embora a cavalo.

Sobre Carlãozinho Lemes

Antes do jornalismo, meu sonho era ser... astronauta. Meu saudoso pai me broxou: “Pra isso, precisa seguir carreira militar”. Porém, nunca deixei de ir transmutando a sucata anárquica dos pesadelos em narrativas cambaleantes entre ficção científica, uma fantasia algo melancólica, humor insólito e a memória — essa tumba mal lacrada de maravilhas malditas. Assim, é o astronauta precocemente abortado quem proclama: rumo ao estranho e às entranhas!

Check Also

Crédito: Spilt shire

Os vampirim: garotos mais do que perdidos

Petrônio Prosinha era um caça-talentos e, principalmente, um homem do seu tempo. Anos atrás, buscou …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *