Blog Adriana voumeembora

Vou-me embora

151211_107_Adriana_corte_512– Eu já vou.

– Pra onde?

– Vou-me embora.

– Pra fora do País?

– Não, vou embora pegar meu filho.

– Ah, pensei que tinha desistido.

– Não, claro que não.

– Não vai não, fica mais um pouquinho, toma outro café.

– Mas se a coisa piorar eu vou mesmo.

– Eu sei, você já disse, seu filho espera um pouquinho. Fica aí.

– Não, eu digo que vou embora do País se piorar.

– É, mas vai piorar. Você já sabe para onde vai?

-Se eu for embora? Não sei, só sei por enquanto que vou pra Mariana.

– Mariana? Ela tá bem?

– Claro que não.

– O que houve. Gripe?

– De que Mariana você fala?

– Sua amiga!

– Não, vou pra Mariana em Minas, do desastre, da lama tóxica, da empresa criminosa, sabe? Tudo isso.

– Você vai?

– Eu vou. Preciso ir.

– Você tem razão. Em vez de ir pra fora, a gente precisa ir pra dentro nas horas de crise. Minha terapeuta sempre diz isso. Mas é difícil…

– Quero ir pra fora também.

– É? Pra onde?

– Se piorar, vou embora. Não sei pra onde. O mundo em crise… Eu te falei que vou pra Amazônia? Vou ver uma tribo indígena e um trabalho social com comunidades ribeirinhas. Ainda tem muita coisa boa acontecendo, gente fazendo o que precisa ser feito. Eu vou.

CAM00403

– Isso é legal. Você vai mesmo?

– Acho que vou. Quero muito ir.

– Mas você quer ir pra fora também. Tem ideia pra onde vai?

– Não sei. Na verdade, não quero ir, mas não sei, talvez eu vá.

– Vai! Vai sim! É bom pra arejar.

– Sei lá. Agora eu vou mesmo é buscar meu filho e sair com a minha filha. Preciso ir.

– Foi bom te ver.

– Eu também gostei. Vamos marcar outros  cafés… Esse aqui ficou parecendo uma conversa da Democracia, que era eu hesitando de ir embora, com o povo, você, sem entender, sem querer que ela vá, mas deixando ir… Não parece?

– É, parece. Mas olha, vai mas volta, viu Democracia? Volta logo.

 

About Adriana Menezes

Pernambucana de nascimento e cidadã brasileira por convicção. Amante das artes, da língua, da comunicação e da vida em movimento. Mãe, mulher e jornalista em tempo integral. Nas horas de folga, põe os filhos no colo, passa batom e consome (ou produz) informação.

Check Also

O famoso beijo que o marinheiro deu na enfermeira, no dia 14 de agosto de 1945, assim que soube do fim da II Guerra Mundial, nas ruas de Nova York, registrado pelo fotógrafo da Life Alfred Eisenstaedt

O beijo e a tragédia

O coração acelerado, mais suor no corpo, tudo quente com a adrenalina circulando, as células …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *