Daniela Prandi

Daniela Prandi, paulista, jornalista, fanática por cinema, vai do pop ao cult mas não passa nem perto de filmes de terror. Louca por livros, gibis, arte, poesia e tudo o mais que mexa com as palavras em movimento, vive cada sessão de cinema como se fosse a última.

Campinas ganha mostra com a nova geração do cinema italiano

Nicoletta Romanoff, do elenco de "A Verdade", é uma dos artistas esperados na mostra em Campinas

Campinas, que em outras épocas já foi referência em cinema, tem boas notícias para os cinéfilos. De 6 a 13 de abril, a cidade recebe o evento Mostra de Cinema Italiano, que vai contar com a estreia mundial de “A Verdade” (Le Verità), primeiro filme do diretor Giuseppe Alessio Nuzzo, de 27 anos, que reúne uma equipe de jovens profissionais, com idade máxima de 35 anos, dentro da proposta do projeto Film4Young. Durante a apresentação do projeto e do trailer no Festival de Veneza, em setembro do ano passado, Nuzzo disse que “A Verdade” representou um “duplo desafio”: “Fizemos um filme com uma equipe completamente sub-35 e trouxemos o gênero thriller psicológico ao cinema italiano.” “A Verdade” acompanha a história de Gabriel (interpretado por Francesco Montanari), um jovem empresário desiludido com os rumos de sua vida que, depois de uma …

Leia Mais »

“Eles Só Usam Black-tie” retrata crise de geração pós-Apartheid

"Eles Só Usam Black-tie" mostra a vida de jovens negros sul-africanos e é quase todo rodado em branco e preto

O suicídio de uma garota da turma transmitido on-line muda o futuro de um grupo de amigos de um bairro de negros de classe média alta na África do Sul. Em “Eles Só Usam Black-tie” (tradução para “NeckTieYouth”, algo como “juventude de gravatas”), que estreia no Brasil nesta semana, o novato diretor Sibs Shongwe-La Mer, de 23 anos, retrata “millennials” em crise existencial, em meio a drogas, falta de perspectiva e conversa fiada. O título do filme no Brasil faz trocadilho com “Eles Não Usam Black-Tie”, de 1981, dirigido por Leon Hirszman, mas vamos levar “na esportiva”. O cenário do filme é um país igualmente em crise, após o fim do Apartheid, e Joanesburgo, uma cidade com toda a crise que se pode carregar com tanta desigualdade social escancarada. O filme, que lembra “Kids” (de Larry Clark, de 1995), foi …

Leia Mais »

“Moonland” ou “La La Night”?: vexame na festa do Oscar 2017

oscar 2017 (1)

  A festa está linda, ótimas companhias, diversão para todos lados, e bem na hora marcada para o gran finale um convidado escorrega, derruba tudo, arranca a toalha da mesa, logo o bolo está virado no chão… E todo mundo vai embora com vontade de comer bolo. Assim foi a festa do Oscar 2017. O que deveria ser o ápice da cerimônia de entrega dos melhores da temporada acabou em um grande vexame. Anunciaram “La La Land” como melhor filme, mas o vencedor era “Moonlight”. Logo o ato falho se tornou “meme”, com muitas referências ao recente concurso de Miss Universo, que teve o mesmo triste final. Warren Beatty e Faye Dunaway, a dupla “Bonnie e Clyde”, no filme lançado há 50 anos, foi a escalada para o anúncio do último prêmio. Beatty puxou o papel do envelope e fez …

Leia Mais »

“Até o Último Homem” e “A Qualquer Custo”: filmes para duros na queda

"Até o Último Homem" é baseado em história real do soldado-médico que se recusou a pegar em armas na Segunda Guerra Mundial

A indústria do cinema comprova que são as mulheres que decidem qual filme o casal vai assistir, mas é preciso fazer concessões, para o bem da vida a dois, e encarar uns “filmes de durões” de vez em quando. Dois gêneros, o faroeste e o filme de guerra, que transbordam masculinidade, estão muito bem representados nesta temporada e com indicações ao Oscar 2017, cuja cerimônia será neste domingo (26 de fevereiro). “Até o Último Homem”, que marca o retorno de Mel Gibson à direção, e “A Qualquer Custo”, western sobre dois irmãos ladrões de bancos, são sobre homens, com a maioria do elenco composta por homens que pegam em armas, outra “coisa de homem” (é claro que há exceções, não quero generalizar nem muito menos polemizar), e espalham violência. “Até o Último Homem”, com seis indicações ao Oscar, incluindo melhor …

Leia Mais »

“Toni Erdmann”: seu pai não te entende, você não entende seu pai

O terceiro longa da diretora alemã Maren Ade, "Toni Eardmann", pode provocar risadas, mas há uma melancolia profunda no conflito de gerações

  Em “Toni Erdmann”, forte concorrente ao Oscar de melhor filme estrangeiro, o protagonista é o alemão Winfried (Peter Simonischek), que tem um humor bem peculiar. Tira sarro de tudo e de todos e encara a vida como uma grande piada. Sacaneia o carteiro, seu aluno de piano e (muito mais) a própria família. Usa “disfarces”, como uma horrível peruca, carrega uma dentadura maluca no bolso da camisa e, a qualquer momento, se transforma em um outro. Um deles é Toni Erdmann, que o fará se reaproximar da filha, Ines (Sandra Hüller), workaholic mais conectada ao telefone celular do que aos seus. O terceiro longa da diretora alemã Maren Ade (que estreou em 2003, com “Floresta para as Árvores” e, logo no segundo filme, “Todos os Outros”, levou o Grande Prêmio do Júri do Festival de Berlim, em 2009) pode …

Leia Mais »

“A Criada”, um dos melhores fimes da temporada, é sobre o poder das mulheres

“A Criada”, do cineasta sul-coreano Park Chang-Wook, já levou mais de 40 prêmios por onde passou

O ano mal começou e um filme já está entre os fortes concorrentes aos melhores títulos que entraram em cartaz em 2017. Em tempos de “empoderamento feminino”, “A Criada”, do cineasta sul-coreano Park Chang-Wook, é drama, é suspense, é romance, é sexy, conta com uma reviravolta fenomenal e tem deixado os espectadores surpresos e saciados após 2h25min, em uma história em três atos que exala o poder das mulheres. Até agora já levou mais de 40 prêmios por onde passou e será difícil superar ou até mesmo igualar sua soberania nas listas dos “the best”. O cineasta Chang-Wook comprova sua evolução depois da chamada “trilogia da vingança”, composta por Mr. Vingança” (2002); “Oldboy” (2003) e “Lady Vingança” (2005). Não que “A Criada” não retorne ao tema, mas, desta vez, há um roteiro bem mais intrincado, que envolve trapaças e trapaceiros …

Leia Mais »

“TOC”, enfim uma comédia nacional inteligente, que ri de si mesma

O elenco bem escolhido de "TOC - Transtornada, Obsessiva, Compulsiva", comédia brasileira que estreia nesta quinta-feira (2 de fevereiro)

Enfim, a comédia brasileira consegue mostrar alguma criatividade e rir de si mesma em “TOC – Transtornada, Obsessiva, Compulsiva”, filme estrelado por Tatá Werneck que entra em cartaz nesta quinta-feira (2 de fevereiro). Um pouco de Monty Phyton, mais auto-ironia, elenco bem escolhido, trilha sonora divertida e diálogos inteligentes levam o filme a um novo patamar entre as comédias nacionais. “TOC” não é o riso escrachado, escatológico e fácil que os brasileiros se acostumaram a ver nos cinemas – e que encheram os bolsos dos produtores. O filme é um pouco mais cabeça e, por isso, terá que achar e convencer seu público, aquele que amadureceu vendo “Seinfeld”, por exemplo. “Monty Phyton é nossa religião”, diz o diretor Teodoro Poppovic, que assina o comando do filme com Paulinho Caruso, filho do cartunista Paulo Caruso, na coletiva de imprensa de “TOC”, …

Leia Mais »

Oscar 2017: com 14 indicações, “La La Land” é o filme que muitos estão amando odiar

Nesta terça-feira (24 de janeiro), foram anunciados os indicados ao Oscar 2017

No mundo real, a polarização política tem trazido tempos de incertezas. No mundo do cinema, as pessoas se dividem após acaloradas discussões entre os que amaram e os que odiaram “La La Land”. Pois nesta terça-feira (24 de janeiro), com o anúncio dos indicados ao Oscar 2017, Hollywood mandou um recado bem dado com as 14 indicações para o musical de Damien Chazelle, que se juntou aos recordistas “A Malvada” (1950) e “Titanic” (1997), até então os únicos que concorreram em 14 categorias em toda a história dos 89 anos do Oscar. “La La Land” tem sido o filme que muitos estão amando odiar, ou odiando amar. Com tantas indicações ao Oscar, ficará ainda mais fácil gostar ou detestar o filme, dependendo de como a pessoa enxerga a importância de Hollywood ou da própria estatueta dourada em sua vida. Vale …

Leia Mais »

Entre o filme mais fofo e o filme mais triste da temporada

Ryan Gosling é Sebastian, um pianista de jazz, e Emma Stone é Mia, aspirante a atriz em Hollywood, em "La La Land", o filme mais fofo da temporada

“La La Land” é, certamente, o filme mais fofo da temporada. Já levou muitos prêmios desde que começou sua carreira rumo ao Oscar e deve sair da festa de Hollywood com mais de uma estatueta dourada. Já “Manchester à Beira-Mar”, o filme mais triste da temporada, tem emocionado plateias mundo afora e também é forte concorrente. Ambos, que entram em cartaz nesta semana no circuito nacional, servem para rir, chorar e celebrar a mágica que é conseguir se emocionar no escurinho do cinema. Assisti aos dois em um curto intervalo de tempo, em sessões para a imprensa, em salas com o ar-condicionado no máximo para driblar o calor sufocante do Rio de Janeiro. Saí de ambos com as mãos geladas, o nariz escorrendo, mas com o ânimo bem diferente. “Eu tenho uma notícia boa e uma notícia ruim: qual você …

Leia Mais »

“Eu, Daniel Blake”, um drama que poderia ser meu, seu, nosso

O cineasta irlandês Ken Loach venceu, aos 80 anos, a Palma de Ouro de Cannes 2016 com “Eu, Daniel Blake”, sobre o drama de um cidadão que um dia precisa da ajuda de seu governo

Poderia acontecer com qualquer um. Em “Eu, Daniel Blake”, vencedor da Palma de Ouro de Cannes 2016, que finalmente chega aos cinemas, o cineasta irlandês Ken Loach retrata o drama de um cidadão que um dia precisa da ajuda de seu governo. E não será fácil. Há a falência do Estado, o descaso do funcionalismo público, o desprezo do ser humano, mas ainda existe, ufa, um pouco de bondade. “Somos todos Daniel Blake”, parece gritar o diretor, que, aos 80 anos, segue firme em seu cinema ativista que lhe rendeu, em 2006, sua primeira Palma de Ouro por “Ventos da Liberdade”. O drama de Daniel Blake (Dave Johns) é universal. Poderia ser meu, seu, de qualquer um de nós. O personagem, morador de Newcastle, é viúvo, tem 59 anos, trabalhou a vida toda de carpinteiro e sempre pagou seus impostos. …

Leia Mais »