Este é o  Grupo Escolar Minas Gerais que conheci, hoje Escola "José Soares de Araújo", em homenagem ao meu avô sonhador
Este é o Grupo Escolar Minas Gerais que conheci, hoje Escola "José Soares de Araújo", em homenagem ao meu avô sonhador

Dia do Professor: entre a dignidade de uma profissão e a hipocrisia de uma nação

Dia 15 de outubro. Mais uma vez será lembrado, falado, aclamado, o Dia do Professor. Nada mais justo, nada mais necessário do que valorizar e reconhecer aquele que, segundo muitos discursos, é “o pilar da nação”. Pois justamente por isso entendo que está mais do que na hora de sair do discurso, da hipocrisia, para uma valorização e um reconhecimento de fato e de direito dos professores e, principalmente, das professoras, maioria absoluta nessa categoria sofrida, amada e que merece muito, mas muito mais do que tem recebido nas últimas décadas.

Sou filho de professora, sou sobrinho de professoras. Pelas mãos da mamãe Dora e das tias Cida, Lurdes e Nenê passaram gerações de itamogienses. Sou neto de professor. Meu avô, José Soares, era um idealista, teve uma escola de comércio que também prestou enormes serviços à minha cidade. Se continuasse, com certeza seria hoje uma faculdade, sonho antigo (eu diria, necessidade relevante) de minha terrinha.

Eu me lembro perfeitamente do carinho, do respeito, que minha mãe, minha tia e demais professoras mereciam. E creio que seja assim até hoje lá e na esmagadora maioria dos mais de 5 mil municípios brasileiros.

Mas o status de professor caiu muito, começando pelo salário pago. Recente pesquisa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) comprovou o que muitos já sabiam. O salário mínimo anual dos professores brasileiros do ensino fundamental é menos da metade do que a média dos países da OCDE e menor do que muitos países latino-americanos.

O Brasil tem mais de 2 milhões de professores. São, sim, o pilar da nação. Depende deles a formação dos brasileirinhos que fazem e continuarão fazendo o país, nas mais diversas profissões. Todos os estudos sérios, de organizações sérias, afirmam que está nos professores, em sua formação e valorização, a chave para a qualificação do sistema de ensino e aprendizagem. Que tal, então, sairmos da hipocrisia e irmos para a prática do real reconhecimento, traduzido em salários de fato dignos, em condições de fato adequadas de trabalho, em formação apropriada à necessária mudança da escola pública, diante dos desafios do mundo contemporâneo?

Por questões profissionais, tenho tido o privilégio de conhecer escolas públicas, de todos os formatos, nos mais diferentes cenários, em várias regiões do Brasil. E um ponto essas escolas têm em comum. É a garra de professores – melhor dizendo, geralmente professoras – na mais modesta das escolas ou naquelas melhor aparelhadas, com melhores recursos materiais. Não importa, a entrega que essas pessoas demonstram, a vocação que elas cultivam para contribuir no desenvolvimento de meninos e meninas é algo emocionante, e muitas vezes surpreendente, dadas as condições em que muitas trabalham.

Hoje, segunda-feira, 10 de outubro de 2016, a poucas horas de mais um Dia do Professor, a Câmara dos Deputados deve votar a PEC 241 que, de acordo com as mais insuspeitas e respeitadas vozes, representará um golpe fatal na Educação (e na Saúde) no Brasil. O Plano Nacional de Educação em xeque. Claro, vai sobrar para os professores. Que tal sairmos do comodismo, da zona do conforto das homenagens e rapapés, que tal sairmos da hipocrisia para o reconhecimento de fato das professoras e professoras que não abrem mão de sua missão de ajudar crianças e jovens a aprender a voar?

Minha mãe, a primeira de baixo para cima, e várias de minhas professoras: que saudade, que respeito (infelizmente não sei o autor da foto maravilhosa)
Minha mãe, a primeira de baixo para cima, e várias de minhas professoras: que saudade, que respeito (infelizmente não sei o autor da foto maravilhosa)

Sobre José Pedro Soares Martins

Mineiro nascido com gosto de café e pão de queijo, ama escrever pois lhe encantam os labirintos, os segredos e o fascínio da vida traduzidos em letras.

Check Also

Antonio Candido, brasileiro gentil (Foto Marcos Santos/USP Imagens)

Antonio Candido e o seu legado para Campinas e todo o Brasil

A política e a poesia são demais para o mesmo homem, sentenciou Glauber Rocha em …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *