Bife entrou em cena

CacaloFernandes_0179_400x400Olhando bem para ele, e ele para nós, era isso mesmo: gostamos da cara um do outro. Não sei de quem veio o nome, se de mim ou de minha mulher. Apesar de orelha rasgada por uma briga de rua, ele de fato era um Boxer diferente. Era o Bonitão. E ficou assim.

Bonitão foi achado numa dessas casas de animais abandonados pela vida. E batemos os olhos na turma. Entre os que eram oferecidos, nenhum deu bola muito grande pra gente. Salvo um deles, o da orelha abalroada. Na verdade, ele que nos escolheu para sermos seus parceiros.

Parecia que ele estava adivinhando que iríamos para a casa nova, e ele junto. Só não sabia que logo chegaríamos à casa que era quase vizinha da que eu vivera minha infância, há trinta anos. Foi para lá que fomos eu e ele, o Bonitão. Minha mulher chegaria dois dias mais tarde.

Boxer-12_Cacalo

Assim eu cheguei com Bonitão ao reboque. E tudo estava lá. Olhei a sala, olhei a cozinha, os banheiros, os quartos. Perfeitos. Fomos para a parte de trás. Primeira coisa a investigar seria a piscina. Linda. Cheguei ao meu sonho, o escritório, que tinha ao lado um banheiro. Ali queria ficar grande parte de meu tempo de folga parcial enquanto não viesse o trabalho novo. Tudo certo. Dormimos.

O sol me acordou na manhã seguinte. Com o Bonitão deve ter acontecido bem antes. Ele já corria para marcar todos os territórios da habitação nova. Ali a conversa estranha, caso tivesse, seria com ele. Mas eu não previa nada de papo furado naquela época. Eram tempos de docilidade.

Escutei então um barulho estranho. Deixei passar. Escutei o som mais alto. Parecia um assovio. E o Bonitão, pelo que eu soubesse, não sabia assoviar. Sabia latir. Resolvi então abandonar meu sossego em frente ao computador do escritório onde eu confirmava se nada havia fugido dali enquanto eu me mudava pela quinta vez em Campinas.

Descobri o autor do assovio. Era meu vizinho com quem eu tentara falar no dia anterior. Eu estava querendo conhecer meu único vizinho, já que uma área semelhante à de minha casa e à direita era um terreno baldio. E à frente era o Bosque dos Italianos, onde, segundo meu olhar, estavam as árvores e os frutos mais simpáticos do lugar, os jequitibás.

Boxer-04_Cacalo

Sentimos a necessidade de nos cumprimentar pelo muro mesmo. Primeiro problema: percebi tarde que estava munido de um copo de uísque e gelo. Segundo problema: eram onze horas da manhã do sábado. Terceiro problema: não notei que existia uma piscina entre a gente. Foi ali que caí.

Mas herói é herói. Apesar do sapato, calça e camisa molhados, copo de uísque na mão e água até o peito, segui como se nada houvesse acontecido. Saí da piscina. E sorria para meu vizinho, que ria para mim. Depois desejamos prazer um pro outro e fomos cada qual para sua casa. Fui direto para o banheiro da frente. Olhei para o espelho. Ri. Não sei o que ele fez quando encontrou sua mulher para dizer como era o novo vizinho. Bem, este foi o primeiro capítulo de  na nova casa.

Seu Waldir, o primeiro vizinho, ficou nosso amigo e nunca tocamos na história da piscina –não sei o porquê; dona Margarida, que passou a nos visitar toda hora principalmente para ver o Bonitão e levar lambidas nas mãos; os amigos vizinhos que trocavam conversas e jogavam cartas com a gente; minha mulher, que passou a carregar nossa filha na barriga assim que mudamos; e a grana extra que recebera pelo último contrato de trabalho e sumia com o tempo. Assim era nosso mundo novo.

Entre esses capítulos vinham pequenas histórias, e o Bonitão sempre estava no meio. Numa dessas vezes, ele resolveu testar a força das patas e tentou saltar o muro da frente, de dois metros. Conseguiu e foi conhecer o bairro mais de perto. Fomos tentar acha-lo, andamos por todas as ruas, chamamos, e nada. Quando estávamos chegando em casa, já desanimados, notamos um alvoroço na rua de baixo. Assim que percebemos os gritos de dona Margarida, soubemos que achamos o cão.

“Bonitão, você está feio, um feião”!, ela dizia. Quando paramos o carro, vimos que tinham dois cachorros brigando. Um era o Bonitão, o que mordia, outro era o Bife, um vira-lata querido no bairro e que morava em uma casa próxima à nossa. Na plateia, a vizinhança que pedia trégua.

Assim que minha mulher percebeu quem eram os personagens, e a mordida do Bonitão que não largava do pescoço do cachorro vizinho, ela pegou um esguicho da casa mais próxima e mirou na cabeça do Bonitão. Ali foram quinze minutos e toda a água. Apesar da água, Bonitão não abria a boca. Mas terminado o tempo, levantou-se e foi calmamente para casa. Bife, exausto, acabara de ser atropelado por uma mandíbula.

Quando Bonitão virou a esquina, Bife abriu um olho, depois outro. Sacudiu-se. E foi embora rapidinho.

Sobre Cacalo Fernandes

Ser paulistano foi o início de uma história de quem certo dia decidiu ser um escrevinhador. Mas quando a calça deixou de ser curta, lá no início, ajudou a construir esse lado que um dia pareceu esquisito. E hoje acho que não poderia ser outro.

Check Also

Cacalo_Bebes 6_destacada

A sorte foi obrigada a acordar

A vida do casal estava perfeita. Tudo caminhava com doçura. Ela trabalhava em casa e …

10 comentários

  1. Que prazer reencontrar as histórias saborosas do Cacalo Fernandes

  2. Salve, Fabiana. Saudades. Abraço.
    Cacalo

  3. Parabéns Cacalo!!! Crônica Deliciosa.
    Bem vindo!

  4. Sandra Godoy

    Grande Cacalo, que delícia ler suas crônicas outra vez. Adoro!
    Beijão.

  5. Olá, Sandra. Com seu agrado a vida fica mais legal. Beijo, Cacalo

  6. Aderval Borges

    Boa crônica, Cacalo. Com a maestria habitual, bom ritmo e bons cortes de frases amarrando os elos da história. E acerca de uma passagem sobre a qual já rimos bastante. Parece que sinto agora as lambidas imprevistas que Bonitão nos dava nas mãos para chamar a atenção, enquanto conversávamos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *