Artigos Recentes

LaBeouf e Gudnason, como McEnroe e Borg (Foto Divulgação)

“Borg vs. McEnroe”, o jogo entre o gelo e o fogo em um filme que deu match

De volta a 1980, final de Wimbledon. Björn Borg e John McEnroe em uma batalha que os comentaristas da época anunciavam como “o jogo entre o gelo e o fogo”. O filme “Borg vs. McEnroe”, estreia do documentarista Janus Metz no cinema de ficção, recria com emoção, tensão e criatividade uma das rivalidades históricas do tênis em um filme que vai além do vai e vem da bolinha. E deu match. Muitos. Aos 24 anos, o sueco Björn Borg, vivido no filme por Sverrir Gudnason, sofria a pressão de conquistar seu quinto título seguido na prestigiada competição, sempre sem demonstrar nenhuma emoção. Do outro lado da quadra estava o norte-americano John McEnroe, muito bem representado por Shia LaBeouf, de 20 anos, conhecido por seu temperamento explosivo, em busca de seu primeiro título. Nenhum dos atores joga tênis, mas a magia …

Leia Mais »
(Foto Arquivo Pessoal)

Um longo caminho pela frente

Um grande problema para quem estuda ciências relacionadas com alimentação e nutrição é que, para desenhar experimentos que nos forneçam dados acurados sobre efeitos de uma dieta no organismo, é bastante complicado.  Muitos experimentos são bastante básicos para nos dizerem algo, muitos são realizados em placas de Petri e em animais. Infelizmente, o corpo humano é, de longe, mais complexo, e muitos estudos realizados são bastante duvidosos. Muitos efeitos somente são observados após um longo período de tempo e, para obter resultados rápidos, trabalha-se com suposições baseadas em resultados obtidos em tecido celular ou em ratos. Por isso, são bem poucas as descobertas baseadas em uma situação mais voltada à vida real, feita com pessoas e que abrangem longos períodos de tempo como, por exemplo, os efeitos da ingestão de algum alimento ao longo dos anos. Uma questão que, até …

Leia Mais »
Crédito: “Trilhos e Linhas – História do Transporte Urbano Em Campinas”, de Marcos Pimentel Bicalho

Nascido em plena guerra

O dia 12 de novembro de 1985 foi uma terça-feira de guerra em Campinas. Uma greve no transporte coletivo virava a cidade de cabeça pra baixo, numa época em que greves ainda eram episódios heroicos e os sindicalistas não eram tão suscetíveis a negociatas obscuras como hoje. Tudo muito emocionante, mas a verdade é que sobrava pros repórteres: piquetes aqui, prisões ali, protestos acolá, congestionamentos no trânsito, sempre. Foi no meio desse turbilhão que nasceu meu filho. Prematuro. Eu na rua. A surpresa me atingiu quando liguei pra redação do saudoso Diário do Povo, para consolidar a pauta. De orelhão. — celular? Rádio? Não, o futuro ainda não tinha chegado. Alguém lá na redação tinha recebido a notícia do nascimento antes de mim. Voei pra maternidade. Depois de atropelar uns três funcionários e invadir um monte de áreas restritas, cheguei …

Leia Mais »
Cachorro detecta medo ou felicidade? (Foto Creative Commons )

Cheiro de medo

Meu tio Nelson gostava muito de cachorros. Ele não chegou a ter mais de vinte como costumava ter o senhor Pedrinho (http://asn.blog.br/2017/03/23/o-que-os-cachorros-de-seu-pedrinho-nos-ensinam-sobre-cooperacao/), mas não me lembro de tê-lo visto um dia sequer sem estar com algum cachorro em seu colo. Sua última companheira foi uma cadelinha chamada Suzi, ela seria uma charmosa salsichinha se seus avós não tivessem sangue de mil vira-latas. Suzi era quieta e medrosa, acho que foi a cachorra mais covarde que conheci, talvez por causa disso ela nunca se separava do meu tio, que lhe dava muito carinho. Infelizmente, meu tio teve um derrame que o deixou bastante debilitado e ele ficou com muita dificuldade para caminhar e falar. Muitas vezes, eram apenas resmungos intraduzíveis. Meu tio caminhava se escorando nas paredes, e isso era bastante difícil para ele. Às vezes, ele tinha medo de cair …

Leia Mais »
Cena do filme impecável, premiado em Cannes (Foto Divulgação)

A jornada de “Gabriel e a Montanha” é a do homem contra a sua natureza

Logo na bela primeira cena de “Gabriel e a Montanha” já se sabe o destino do protagonista, Gabriel Buchmann, carioca que desapareceu ao escalar sozinho o pico Mulanje, no Malaui, com mais de 3 mil metros de altitude, em 2009. Em um sofisticado plano-sequência de abertura, dois homens cortam capim e um deles encontra seu corpo, desaparecido há 19 dias, em uma história que comoveu família e amigos mas que, agora, ganha amplitude no cinema em um filme impecável, premiado em Cannes, elogiado pela crítica europeia e que finalmente chega aos cinemas no Brasil. A morte de Gabriel, que no filme é interpretado por João Pedro Zappa, foi o resultado de suas decisões, muitas delas desafios às leis da natureza. No caso “homem versus montanha”, quem perdeu foi o jovem impetuoso, economista interessado em educação social, ou “pobrólogo”, como brincavam …

Leia Mais »