“A Comunidade” é o fim da festa da nova família

DaniPrandi_0188c_500O dinamarquês Thomas Vinterberg morou em uma “comuna” com os pais e outras famílias dos 7 aos 19 anos de idade, em meados dos anos 1970. “Comuna” era o nome das casas comunitárias que tinham virado um modo de vida viável e alternativo em Copenhagen. O cineasta de filmes cultuados, como “A Caça” e “Festa de Família”, resolveu remexer suas lembranças e, em “A Comunidade”, retrata uma sociedade alternativa que tem liberdade, mas também regras e desilusões, apesar da sensação de aconchego que é a ideia de morar rodeado de gente em tempos pós-revolução sexual.

O filme lembra um pouco a atmosfera de “Festa de Família”, de 1998, marco criativo do movimento Dogma, que privilegiava a luz e o som natural, entre outras revoluções. Além de mostrar de dentro a experiência de montar uma comunidade, Vinterberg remexe em outras emoções ao focar no doloroso processo de separação do casal central do filme, Erik (Ulrich Thomsen) e Anna (Trine Dyrholm), um professor universitário e uma âncora de televisão, pais da adolescente Freja (Martha Sofie Wallstrom Hansen).

O cineasta Thomas Vinterberg resolveu remexer suas lembranças em “A Comunidade”, onde retrata uma sociedade alternativa, com liberdade e regras Fotos: Divulgação
Thomas Vinterberg remexeu suas lembranças em “A Comunidade”, onde retrata sociedade alternativa

Erik herda a casa da família mas, como os custos da propriedade vão além de suas rendas, é convencido pela mulher a chamar amigos e amigos de amigos para morar e dividir as despesas. Os tempos são de vale tudo, como nadar pelado na maior felicidade, como bem mostra uma das sequências iniciais. Mas a festa da nova família no meio dessa ideia de utopia acaba por revelar os dilemas e os dramas de sempre, como ciúmes, machismo, mesquinharia e rabugices, afinal, de perto ninguém é normal.

O primeiro a chegar é Ole (Lars Ranthe), que pode ter algo mais que uma amizade por Anna. Outros são integrados ao grupo, e um sistema de vida começa a se impor, onde todos são responsáveis e as decisões são pelo voto, e nem sempre sai o resultado esperado. Não demora para que alguns tentem mandar, outros desobedecer, outros ignorar, mas há um certo equilíbrio nas relações. Até que Erik acaba alterando a balança quando começa um romance com uma de suas alunas, Emma (Helene Reingaard Neumann), e decide pedir a separação.

dani-filme-a-comunidade-casal-protagonista
O casal central, Erik (Ulrich Thomsen) e Anna (Trine Dyrholm), vive uma dolorosa separação

A atriz que interpreta Emma é a nova esposa do cineasta Vinterberg, que separou-se depois de 20 anos de casamento e dois filhos, e destaca-se por sua beleza, com um ar de Brigitte Bardot nórdica. O tema separação não está ali por acaso. O diretor viu seus pais terminarem o casamento quando moravam em uma comunidade. Vinterberg conta que continuou na casa mesmo depois que eles se mudaram porque, segundo disse em entrevista, “queria continuar a me sentir amado”.

Em uma atitude impensada, Anna diz a Erik para trazer a nova companheira para morar na casa também. Mas não suporta os ciúmes, a perda e a humilhação, entra em depressão, o que atrapalha seu trabalho, e vai para o fundo do poço emocional. Pela impressionante atuação, a atriz Trine Dyrholm foi premiada no Festival de Berlim em fevereiro deste ano.

dani-filme-a-comunidade-atriz-helene
Emma (Helene Reingaard Neumann) tem um caso amoroso com Erik e vai morar na casa comunitária

Não à toa, hoje a maioria não mora em casas comunitárias e quer o seu cantinho, já que os tempos são de liberdade individual e direito a privacidade. Essas experiências não resistiram e atualmente o conceito de vida em comunidade passou a representar muito mais no mundo virtual do que no real. Mas Vinterberg ainda acredita: “Não vejo a comunidade como utopia. A vantagem do coletivo é que ele torna a vida mais suportável.”

TRAILER

Sobre Daniela Prandi

Daniela Prandi, paulista, jornalista, fanática por cinema, vai do pop ao cult mas não passa nem perto de filmes de terror. Louca por livros, gibis, arte, poesia e tudo o mais que mexa com as palavras em movimento, vive cada sessão de cinema como se fosse a última.

Check Also

Pilar del Rio: momentos especiais na Flip 2017 (Foto Daniela Prandi)

O “milagre ateu” da Flip ou quem quer namorar Pilar, a viúva de Saramago?

Desde “José e Pilar”, documentário que revelou a intimidade intelectual do casal José Saramago e …

3 comentários

  1. Dani, texto delicioso. Louca pra ver o filme!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *