Da sacada de uma bela casa na enseada de Marselha, a vida passa implacável (Foto Divulgação)
Da sacada de uma bela casa na enseada de Marselha, a vida passa implacável (Foto Divulgação)

A vida passa implacável em “Uma Casa à Beira-Mar”

Da sacada de uma bela casa de frente para a enseada de Marselha, no sul da França, a vida passa implacável. O patriarca contempla a imensidão azul enquanto agoniza na delicada, porém angustiante, abertura de “Uma Casa à Beira-Mar”, novo filme do cineasta Robert Guédiguian, o mesmo que nos encantou com ‘As Neves do Kilimanjaro” e tantos outros belos filmes ambientados em sua terra-natal.
O clima fica entre Tchecov e Brecht (Foto Divulgação)
O clima fica entre Tchecov e Brecht (Foto Divulgação)

Obrigados ao reencontro após a doença do pai, que perdeu todos os movimentos, três irmãos tentam entender suas perdas e danos. O clima fica entre Tchecov e Brecht enquanto os limites físicos da casa, construída pelo pai e alguns amigos, ainda presentes na vida da família, funcionam como um palco que recebe, sem dó, algumas das grandes questões da humanidade, de ontem e de hoje.

Guédiguian, que é de Marselha, tem uma intensa relação com o mar. Desta vez, coloca a esposa, Ariane Ascaride, no centro da trama no papel de Angèle, irmã de Armand (Gérard Meylan) e Joseph (Jean-Pierre Darroussin) que, por causa de uma tragédia pessoal justamente ambientada ali, se ausentou por 20 anos. Ela só volta porque é preciso resolver o que será feito da casa, mas o que a afastou da família continua a assombrar. Só saberemos a razão de tanta angústia lá pelo meio da história. E é de cortar o coração, acreditem.
Uma metáfora da França de hoje (Foto Divulgação)
Uma metáfora da França de hoje (Foto Divulgação)
Angèle é uma atriz de sucesso que aos poucos vai se transformando de volta naquela que era quando ali vivia, inclusive fisicamente. Chega com os cabelos arrumados, a roupa impecável mas, dia após dia, vai se soltando. Armand é o filho que ficou para ajudar o pai no pequeno restaurante popular construído junto com a casa e Joseph, um ex-sindicalista que foi demitido após um bom acordo, revela-se um homem ressentido, que tem um relacionamento em vias de terminar com uma mulher bem mais jovem, disposta a buscar novas emoções. Em torno dos três irmãos circulam o casal de vizinhos e amigos do pai, Suzanne (Geneviève Mnich) e Martin (Jacques Boudet), o filho deles Yvan (Yann Trégouët) e o jovem pescador Benjamin (Robert Stevénin).
A questão política entra em cena com muita delicadeza (Foto Divulgação)
A questão política entra em cena com muita delicadeza (Foto Divulgação)
Entre o velho e o novo, entre a tradição e a modernidade, em uma metáfora da França de hoje, novas questões aparecem, como a própria sobrevivência daquela família. Há, ainda, uma trama paralela, que foca na presença dos refugiados, um drama sem precedentes na Europa atual. Soldados patrulham a praia certos de que desembarques indesejados estão vindo e alertam para o “perigo” do terrorismo. A questão política entra em cena com muita delicadeza e, na mistura da história daquela família com a de crianças vindas de longe, sem família, igualmente marcadas por tragédias impensáveis, chegam lições de vida. E de morte.
O diretor Guédiguian é gentil com seus personagens (Foto Divulgação)
O diretor Guédiguian é gentil com seus personagens (Foto Divulgação)
Guédiguian é gentil com seus personagens, com amor e até um certo humor, e foca nos detalhes, no trem que atravessa a ponte romana lá em cima da colina, no maço de cigarro dividido entre todos, nos cartazes das peças e filmes estrelados por Angèle, nos olhares de amor, de dor e de curiosidade. “Uma Casa à Beira-Mar” é um filme que se revela aos poucos e termina aos gritos. Cada um com sua dor.
TRAILER

Sobre Daniela Prandi

Daniela Prandi, paulista, jornalista, fanática por cinema, vai do pop ao cult mas não passa nem perto de filmes de terror. Louca por livros, gibis, arte, poesia e tudo o mais que mexa com as palavras em movimento, vive cada sessão de cinema como se fosse a última.

Check Also

Um filme que emociona (Foto Divulgação)

“A Noiva do Deserto” emociona com viagem para reaprender a viver

De um fiapo de história onde mulher solitária perde a mala durante conturbada viagem de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *