“Barakah com Barakah”, a primeira comédia romântica da Arábia Saudita

DaniPrandi_0188c_500A imensa placa na entrada da praia em Riad, capital da Arábia Saudita, avisa: proibido nadar, proibido correr, proibido passear com cachorro, proibido… E por aí vai. Em um universo de tantas proibições chama atenção a primeira comédia romântica lançada nos cinemas do país, “Barakah com Barakah”, filme que integrou a seleção do Festival do Rio.

Logo de cara, o primeiro longa de ficção do documentarista Ahmoud Sabbagh, formado em Nova York, avisa: “A pixelização que você vê neste filme é totalmente normal. Não é censura. Repito, não é censura”. Ironia? Aqui e ali, algumas cenas aparecem desfocadas e o tema da opressão diária vivida pelos sauditas, principalmente as mulheres, é evidente na maioria das sequências. Mas “Barakah com Barakah” é uma comédia romântica e, como tal, faz rir e chega a emocionar.

Sabbagh não segue exatamente o script “garota encontra rapaz, eles se apaixonam, algo dá errado, mas tudo dá certo no final” que encadeia a maioria das comédias românticas que vemos por aí. A garota, Bibi (Fatima al-Banawi), tem milhões de seguidores no Instagram e, apesar de não mostrar o rosto, o que é proibido, dá dicas de moda, conselhos de produtos ecologicamente corretos e pontua, aqui e ali, mensagens em tom feminista.

barakah-com-barakah-2
Ahmoud Sabbagh, formado em Nova York, reconhece a ‘pixelização’ e cumpre seu propósito de fazer rir 

O rapaz, Barakah (o comediante Hisham Fageeh), é funcionário da prefeitura que fiscaliza o uso do solo público. “As ruas podem pertencer a Deus, mas isso não significa que o vendedor de frutas e verduras possa expor suas mercadorias sem permissão”, repete. Durante suas rondas se depara com um sessão de fotos em um terreno baldio e conhece a bela e corajosa Bibi.

Vindos de ambientes tão diferentes, logo se aproximam. A garota, mais por rebeldia, se interessa por aquele rapaz um tanto quanto atrapalhado. Os dois começam a tentar se encontrar mas, na sociedade saudita, é praticamente impossível para uma jovem conversar com um homem por causa da polícia religiosa, onipresente.

“Eu nem consegui tocar em sua mão”, lamenta Barakah para o tio, jogador inveterado, beberrão, que de conselheiro não tem nada. Enquanto tenta entender as regras da atual sociedade, o personagem começa a comparar a cultura saudita de hoje com a da geração de seu tio. Nas fotos antigas vê-se homens e mulheres em público, nada demais para os padrões ocidentais. Ao somar imagens de época, o diretor crava sua mensagem: “Como é que chegamos aqui?”

barakah-com-barakah-3
O par – que não é bem um casal – é formado por Barakah (Hisham Fageeh) e Bibi ( (Fatima al-Banawi)

Bibi segue desafiando as regras no Instagram enquanto Barakah passa a imaginar mil e uma maneiras de poder encontrá-la a sós. Enquanto isso, o jovem passa a ensaiar Hamlet com seu grupo amador de teatro e cabe a ele se vestir de mulher para interpretar Ofelia. A sequência na qual o rapaz vai comprar um sutiã para seu figurino teatral é hilária.

O casal, que não é bem um casal, vai se conhecendo melhor a partir de furtivos encontros. Sabemos que Bibi foi adotada por um casal muito rico, que seu nome verdadeiro é Barakah – daí o título do filme – e que a garota tem nas mãos a chance de assinar um milionário contrato de publicidade. Já o rapaz, de origem humilde, vem de uma família arraigada às tradições, mas não concorda tanto assim com as regras que é obrigado a seguir, tanto na vida quanto em seu trabalho. A situação sai do controle e o desfecho é um tanto quanto melancólico.

“Barakah com Barakah” foi o vencedor do prêmio do Júri Ecumênico do Festival de Berlim no início deste ano e, desde então, tem rodado festivais internacionais, como o recente Festival do Rio. Chama a atenção pelo inusitado, pela coragem do realizador e, surpreendentemente, por ter escapado da censura.

TRAILER

 

Sobre Daniela Prandi

Daniela Prandi, paulista, jornalista, fanática por cinema, vai do pop ao cult mas não passa nem perto de filmes de terror. Louca por livros, gibis, arte, poesia e tudo o mais que mexa com as palavras em movimento, vive cada sessão de cinema como se fosse a última.

Check Also

Ryan Gosling é o caçador de replicantes K (Foto Divulgação)

Em “Blade Runner 2049” voltamos ao passado para encontrar luz para o futuro

Nem parece que passou tanto tempo. Em 1982, Ridley Scott mudou a história com “Blade …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *