A jornada de “Gabriel e a Montanha” é a do homem contra a sua natureza

Logo na bela primeira cena de “Gabriel e a Montanha” já se sabe o destino do protagonista, Gabriel Buchmann, carioca que desapareceu ao escalar sozinho o pico Mulanje, no Malaui, com mais de 3 mil metros de altitude, em 2009. Em um sofisticado plano-sequência de abertura, dois homens cortam capim e um deles encontra seu corpo, desaparecido há 19 dias, em uma história que comoveu família e amigos mas que, agora, ganha amplitude no cinema em um filme impecável, premiado em Cannes, elogiado pela crítica europeia e que finalmente chega aos cinemas no Brasil.

A morte de Gabriel, que no filme é interpretado por João Pedro Zappa, foi o resultado de suas decisões, muitas delas desafios às leis da natureza. No caso “homem versus montanha”, quem perdeu foi o jovem impetuoso, economista interessado em educação social, ou “pobrólogo”, como brincavam os amigos. Sem guia, sem calçado apropriado, sem comida suficiente, o aventureiro, que percorreu 26 países no Sudeste Asiático, Oriente Médio e África em um mochilão de um ano, morreu de hipotermia aos 28 anos depois de subir ao topo do Mulanje. Na descida, um nevoeiro mudou tudo e as imagens guardadas em sua máquina fotográfica são reveladoras – algumas delas são mostradas nos créditos finais, não perca.

A equipe do filme percorreu 7 mil quilômetros em quatro países, (Foto Divulgação)
A equipe do filme percorreu 7 mil quilômetros em quatro países, (Foto Divulgação)

Sua morte seria uma lembrança triste entre os amigos do Rio de Janeiro e de Los Angeles, onde Gabriel estudou, se não fosse o diretor Fellipe Barbosa, o mesmo do ótimo “Casa Grande” (2014), seu filme de estreia. O cineasta, colega de Gabriel no colégio São Bento, no Rio de Janeiro, dos 7 aos 17 anos, foca nos 70 últimos dias da viagem pela África, que coincide com o período em que o protagonista reencontra a namorada, Cris, interpretada por Caroline Abras. A equipe percorreu 7 mil quilômetros em quatro países, a bordo de um overland truck (mix de caminhão e ônibus), e escalou amadores para recontar a jornada.

O roteiro leva em consideração, além das fotos, seu caderno de anotações, com muitas descrições detalhadas dos lugares e acontecimentos, os e-mails que mandava para a mãe e a namorada e entrevistas com muitos dos que cruzaram seu caminho pelo Quênia, Tanzânia, Zâmbia e Malaui, como o filme é dividido. Entre ingenuamente recusar o rótulo de turista, apesar de ser o único branco na maioria das situações, e carregar em atitudes egocêntricas, Gabriel é um idealista cheio de si, que às vezes nos agrada, às vezes não, mas não importa.

 O roteiro leva em consideração, além das fotos, o caderno de anotações de Gabriel (Foto Divulgação)

O roteiro leva em consideração, além das fotos, o caderno de anotações de Gabriel (Foto Divulgação)

No caminho cruzamos com personagens que realmente conviveram e conheceram o carioca, que não se separava de sua camisa do Flamengo, mas gostava de se vestir como os locais. Em muitos casos as próprias pessoas, como guias de turismo, interpretam a si mesmos. É um grande achado do filme, que mistura o real e a reconstituição nas doses exatas.

O Gabriel verdadeiro (Foto Reprodução)
O Gabriel verdadeiro (Foto Reprodução)

“Gabriel e a Montanha” venceu o prêmio revelação da Semana da Crítica no Festival de Cannes 2017, em maio, e o prêmio da Fundação Gan, um aporte para a distribuição. Logo depois entrou em cartaz em Paris, quando ganhou críticas favoráveis dos jornais Libération e Le Monde, além de quatro páginas na prestigiada revista Cahiers du Cinéma. E, neste mês de novembro, chegou ao Brasil, onde acaba de ser eleito o melhor filme brasileiro da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, e finalmente ganhou lugar no circuito comercial. O júri da Mostra, no comunicado à imprensa, justificou a escolha: “Pela forma original de revelar um universo com olhar aberto ao novo e aos encontros. Pela habilidade de unir atores de formação e de vida, pela coragem de promover o diálogo entre as linguagens”.

TRAILER

Sobre Daniela Prandi

Daniela Prandi, paulista, jornalista, fanática por cinema, vai do pop ao cult mas não passa nem perto de filmes de terror. Louca por livros, gibis, arte, poesia e tudo o mais que mexa com as palavras em movimento, vive cada sessão de cinema como se fosse a última.

Check Also

"Bingo - O Rei das Manhãs", um filme que surpreende (Foto Divulgação)

E o palhaço o que é? Drogado, frustrado e exagerado em “Bingo – O Rei das Manhãs”

Uma panorâmica pelo Centro de São Paulo não deixa dúvidas. Estamos de volta à década …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *