Artigos Recentes

Minha mãe, a primeira de baixo para cima, e várias de minhas professoras: que saudade, que respeito (infelizmente não sei o autor da foto maravilhosa)

Que saudade da professorinha

A minha paixão pela Educação não é de hoje e nem é de ocasião. Ela nasceu comigo porque ela vem de minha mãe, professora, de minhas tias, professoras, de meu avô, um sonhador que uma vez ousou ter uma escola que deixou muitos frutos em minha cidade. A minha paixão pela Educação também veio de meu pai, que em criança chorava quando, morando na roça, não podia ir assistir aulas quando chovia ou por algum outro motivo. E essa paixão só aumentou porque tive as professoras, e depois professores, que tive, desde o prezinho. Dona Lurdinha, Dona Laís, Dona Iolanda e por aí vai, e a Dona Nabirra, com quem aprendi ler de fato um livro, escrevendo sobre ele, o …

Leia Mais »
Reduzir emissões atmosféricas é um dos maiores desafios neste século (Foto José Pedro Martins)

A guerra da atmosfera começou e o Brasil também é vítima

Os sinais do desastre global provocado pelas mudanças climáticas continuam se multiplicando e é cada vez mais improvável que haja tempo de reverter o cenário. 2015 foi de novo o ano mais quente desde 1880, quando começaram as medições. Em março, a cobertura de gelo marinho no Ártico atingiu a sua menor extensão nesse período do ano, também desde o início dos registros por satélite, em 1979. O “branqueamento” da Grande Barreira de Corais na Austrália tem atingido o índice máximo, consequência do aquecimento do oceano. E no Brasil, como se sabe, grande parte do país continua convivendo com os impactos da forte estiagem dos últimos anos, mesmo que autoridades e órgãos públicos continuem dizendo que está tudo bem. O …

Leia Mais »
As cores da pátria que ainda acredita na paz (Foto Adriano Rosa)

Por que ainda acredito na paz e em uma pátria de irmãs e irmãos

Talvez nunca saibamos onde ou quando nos perdemos. Pode ter sido na esquina em que não vimos a fúria se encastelando. Pode ter sido no primeiro soco e nos primeiros esguichos de sangue no octógono. Pode ter sido na pioneira canetada que encheu de zeros aquele furtivo papel em branco. Pode ter sido, ainda, na primeira árvore tombada sobre o chão vermelho ou no primeiro paredão televisado. E nem sei se valeria de alguma coisa encontrar a origem do desencanto. O mal está feito, e ele flui sutil pelos números ocos das Bolsas ou em corredores verdes e gelados no Plano Piloto. Escorre livre pelo leito sinuoso e turvo de rios antes doces, não se enternece com o desespero nos morros cravejados …

Leia Mais »
As cores da Educação e da infância, provável eixo de união nacional (Foto Adriano Rosa)

A histeria que sequestra a história

O Brasil acaba de vivenciar uma das maiores experiências democráticas de sua história, e justamente no setor – a Educação – que efetivamente pode garantir um futuro de justiça e solidariedade para todos. Foram quase 12 milhões de contribuições ao texto preliminar da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Milhares de professores, escolas e vários tipos de organização social participaram. Mas toda essa riqueza mereceu não mais que “pé de página” nos jornais ou limitadíssimo destaque nos portais. Parte da mídia está mais preocupada em contribuir para multiplicar a intolerância que está tomando de assalto as ruas, as praças e os lares dos brasileiros. Um dos grandes riscos que atravessamos é em que a histeria sequestre a história, e o país …

Leia Mais »
Projetores como esse Pathé levaram a magia do cinema a milhões (Foto Adriano Rosa)

O Bebe sentou e tirou o chapéu, começa mais uma sessão no Cine Eden

Ele tinha seu lugar de honra. Na primeira fila, a primeira cadeira à direita do corredor central. Em toda a sessão, Bebe sentava ali, tirava o chapéu e o colocava no colo. O ritual era a senha para começar mais uma exibição naquele que seria um de meus pedaços do paraíso, chamado exatamente Cine Eden. Bebe, soube depois, morreria com mais de 100 anos. Mas em minha memória ele permanece ali, quietinho, extasiado, desde o momento em que o projetor era acionado e todos éramos sugados pela tela. E quantos como eu, moradores em pequenas ou médias cidades do interior, não passaram por essa liturgia, por esse portal para o além do horizonte que eram os cinemas locais, com seus …

Leia Mais »