“É Apenas o Fim do Mundo” olha de perto a infelicidade em família

DaniPrandi_0188c_500“Todas as famílias felizes se parecem; as infelizes são infelizes cada uma a sua maneira”, começa “Anna Karenina”. Saio da sessão de “É Apenas o Fim do Mundo” (Juste le fin du monde), novo filme do cineasta do momento, o franco-canadense Xavier Dolan, com a brilhante frase de Tolstoi me acompanhando. O filme, que recebeu o Grande Prêmio do Júri do Festival de Cannes 2016, olha bem de perto um reencontro familiar. E sobra infelicidade.

A câmera é muito aproximada, vê-se os poros nos rostos do atores, e são os olhares, as caras e bocas de Louis, interpretado por Gaspad Ulliel, que comandam as cenas. O protagonista é um escritor de sucesso que retorna para um almoço com a família, que não visita há 12 anos. “Não é o fim do mundo”, tenta se convencer.

fim-do-mundo-almoco
No almoço em família, eles tentam conversar na recepção ao filho mais novo, um escritor famoso

O filme é contado nas minúcias e sabemos logo de cara que Louis resolveu romper o silêncio para anunciar uma triste notícia para sua mãe, seu irmão e sua irmã, a de que sua morte está próxima.

Antes de sua chegada, acompanhamos a montagem dos drinques e petiscos e a preparação da família para o retorno do filho, uma celebridade, com entrevistas e fotos em jornais e revistas cuidadosamente guardados pela irmã caçula, interpretada com muita força e talento por Lea Seydoux. A sequência é de uma tensão imensa, como que para antecipar os dramas que serão expostos.

fim-do-mundo-2
Louis, interpretado por Gaspad Ulliel, é um escritor de sucesso que visita a família após 12 anos

O elenco é fenomenal, com Vincent Cassel como o irmão mais velho, irritadiço, incapaz de ouvir e, talvez, de amar; Marian Cotillard é a cunhada insegura, que não consegue se expressar, em mais um show de interpretação, assim como a veterana Nathalie Baye, atriz de Godard e Truffaut, que faz a mãe, exagerada, muito maquiada, egoísta, mas divertida e amável.

O filme é baseado em uma peça de teatro de Jean-Luc Lagarce (1957-1995) e manteve um pé no teatral apesar da câmera tão aproximada. As infelicidades daquela família, incapaz de demonstrar amor uns pelos outros, chegam carregadas por nostalgia, afinal, é na infância que ficam guardadas as primeiras alegrias, mas dentro de um caminhão de ressentimentos. O que retorna guarda na memória momentos importantes, como sua primeira experiência homossexual, ali mesmo, e está em clima de despedida. Mas os outros, que sentem que foram deixados para trás pelo filho que ficou famoso, estão mais ocupados com as próprias mágoas.

fim-do-mundo-cassel-e-marion-cotillard
No elenco, Vincent Cassel destaca-se como o irmão mais velho (ao lado de Marion Cotillard)

Louis planeja contar sobre sua morte iminente após o almoço, e enquanto acompanhamos os petiscos, prato principal, sobremesa e tudo o mais, a ansiedade domina. Faz um calor atípico naquele vilarejo no Canadá enquanto a família se reúne na varanda. Entre momentos suados, segredos, lembranças e discursos acalorados, a infelicidade daquela família sai do incompreensível para o compreensível. É, as infelicidades realmente não se parecem.

fim-do-mundo-lea-seydoux
A irmã caçula é interpretada por Lea Seydoux, que também impressiona com seu talento

“É Apenas o Fim do Mundo” é o sexto filme de Dolan, hoje com 27 anos. O cineasta chamou atenção em Cannes desde sua estreia, aos 19 anos, com “Eu Matei Minha Mãe”. É tratado como prodígio, mas seus filmes costumam dividir opiniões. Apesar do prêmio de “É Apenas o Fim do Mundo”, o filme foi recebido com vaias em Cannes. Foi seu retorno às telas depois de “Mommy”, em 2014, quando também levou o Grand Prix, no mesmo ano em que dirigiu o clip Hello, da cantora Adele. Dolan está apenas começando e, pelo que já mostrou até aqui, ainda vamos ouvir falar muito dele.

TRAILER

Sobre Daniela Prandi

Daniela Prandi, paulista, jornalista, fanática por cinema, vai do pop ao cult mas não passa nem perto de filmes de terror. Louca por livros, gibis, arte, poesia e tudo o mais que mexa com as palavras em movimento, vive cada sessão de cinema como se fosse a última.

Check Also

Família expõe seus conflitos, no quarto filme de Lais Bodanzky (Foto Divulgação)

“Como Nossos Pais” põe na mesa o conflito mãe e filha e dá vontade de chorar

O almoço em família mal começou e os conflitos já estão no ar. Uma mãe, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *