O véu de “Fatima” no choque cultural de nossos tempos

DaniPrandi_0188c_500Em uma temporada com fortes concorrentes, “Fatima” foi o vencedor do César, o “Oscar francês” de 2016, em três categorias: melhor filme, roteiro e atriz revelação, para Zita Hanrot. Triste, moderno e realista, o filme destaca a distância cada vez maior entre a nova geração francesa dos filhos dos imigrantes africanos, que nasceram ali, e a de seus pais, muitos dos quais não falam francês. Mas, mais do isso, “Fatima” destaca a hora de separar o que vai e o que fica.

Um ano depois, o filme chega ao Brasil. Logo no primeiro dia de exibição, em uma tarde calorenta de uma quinta-feira de março, havia fila para a sessão da tarde no cinema cult de Botafogo, no Rio de Janeiro. Chamava atenção um grupo de amigas que falava (alto) sobre a atitude/aceitação das mulheres que usam lenço, o véu muçulmano; e os questionamentos eram vários. Muitas das mulheres ao redor prestavam atenção e algumas entraram na conversa.

filme-fatima-mae-e-filha-medica
Dirigido pelo marroquino Philippe Faucon, “Fatima” faz lembrar “Que Horas Ela Volta?”, de Ana Muylaert

Foi neste clima que “Fatima” começou e logo na primeira sequência, a protagonista, vivida por Soria Zeroual, argelina radicada na França, 44 anos, de véu, divorciada e que trabalha de faxineira para sustentar duas filhas, Nesrine (Zita Hanrot) e Souad (Kenza Noah Aïche), é vítima de preconceito ao tentar alugar um apartamento. “O que ela viu é que sou negra e você usa lenço…”, lamenta a filha depois que a corretora dá uma desculpa esfarrapada e não mostra o imóvel para elas.

De muitas maneiras, o usar ou não o véu é mostrado no filme para nos lembrar do choque cultural, do que é estranho aos olhos de quem não entende nem quer entender, em um mundo em que é impossível não ser notado quando se é diferente. E nós aqui, falando sobre o lenço como se fosse editorial de moda, ou vamos encarar a realidade?

fatima-mae-e-filhas
Fatima (Soria Zeroual) faz faxina para sustentar as filhas Nesrine (Zita Hanrot) e Souad (Kenza Noah Aïche)

Com direção do marroquino Philippe Faucon, “Fatima” guarda certa conexão com o filme brasileiro “Que Horas Ela Volta?” (2015), de Anna Muylaert, que também aborda a filha que rompe o ciclo cumprido por sua mãe e gerações de mulheres da família antes dela. Neste caso, Nesrine, que conseguiu passar adiante no processo de seleção para cursar Medicina, é esperança de um novo futuro para aquela pequena família.

A marroquina Fatima Elayoubi tinha 32 anos em 1983 quando deixou a família, em Rabat, no Marrocos, e foi morar em Paris. Em francês, sabia falar “sim” e “não”. Após o fim de um casamento de 16 anos, começou a escrever um livro sobre a sua trajetória, “Oração à Lua” (publicado em 2006). Depois, veio “Enfim, posso andar sozinha” (2011). É a partir de seus escritos que o Faucon elaborou o roteiro. A história é simples, minimalista até, com a câmera na mãe que tudo faz para dar uma vida melhor às filhas, mas que enfrenta grandes problemas de comunicabilidade, já que não domina o francês. Fatima passa o tempo livre escrevendo, em árabe, e o pouco do que é mostrado em seu diário é de uma ternura imensa.

filme-fatima-2
O filme é baseado na vida de Fatima Elayoubi, que contou sua história no livro “Oração da Lua”

Soria Zeroual é uma atriz não-profissional que emprestou seu rosto com muito talento para a mulher que persiste e enfrenta duas realidades, a da filha que será doutora e a da filha caçula, rebelde, que não se encaixa no que é esperado. Faz questão de manter o lenço, repete e respeita as regras de bom comportamento esperadas naquele universo tão particular entre mulheres africanas que vivem na França e não aprova quando a filha coloca uma camiseta sem mangas. Muitos conflitos afloram.

No condomínio onde vivem, Nasrine, a futura médica, é confrontada pelas mulheres vizinhas por não seguir o papel esperado, de cuidar da mãe, casar e ter filhos. A pressão é dupla, com os testes finais para a admissão na faculdade e as cobranças sociais. Mas Nesrine é inteligente demais para se abalar. Enquanto isso a filha mais nova, Souad, de 15 anos, sente vergonha da mãe e está cada vez mais rebelde. Confrontada, Fatima encara o desafio de se reaproximar da garota e pela primeira vez participa de uma reunião de pais na escola, mesmo sem dominar a língua francesa.

A falta de diálogo, literal, expõe a distância cultural e até faz pensar se existe alguma solução. Mas aí vem a maior das soluções, a solidariedade, no aparecimento de personagens que dão um respiro para que a gente possa pensar que ainda há amor ao próximo e que boas ações mudam vidas. O que vai acontecer depois?
TRAILER

 

Sobre Daniela Prandi

Daniela Prandi, paulista, jornalista, fanática por cinema, vai do pop ao cult mas não passa nem perto de filmes de terror. Louca por livros, gibis, arte, poesia e tudo o mais que mexa com as palavras em movimento, vive cada sessão de cinema como se fosse a última.

Check Also

Família expõe seus conflitos, no quarto filme de Lais Bodanzky (Foto Divulgação)

“Como Nossos Pais” põe na mesa o conflito mãe e filha e dá vontade de chorar

O almoço em família mal começou e os conflitos já estão no ar. Uma mãe, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *