“Eu, Daniel Blake”, um drama que poderia ser meu, seu, nosso

DaniPrandi_0188c_500Poderia acontecer com qualquer um. Em “Eu, Daniel Blake”, vencedor da Palma de Ouro de Cannes 2016, que finalmente chega aos cinemas, o cineasta irlandês Ken Loach retrata o drama de um cidadão que um dia precisa da ajuda de seu governo. E não será fácil. Há a falência do Estado, o descaso do funcionalismo público, o desprezo do ser humano, mas ainda existe, ufa, um pouco de bondade. “Somos todos Daniel Blake”, parece gritar o diretor, que, aos 80 anos, segue firme em seu cinema ativista que lhe rendeu, em 2006, sua primeira Palma de Ouro por “Ventos da Liberdade”.

O drama de Daniel Blake (Dave Johns) é universal. Poderia ser meu, seu, de qualquer um de nós. O personagem, morador de Newcastle, é viúvo, tem 59 anos, trabalhou a vida toda de carpinteiro e sempre pagou seus impostos. Após um ataque cardíaco, precisa ficar alguns meses sem trabalhar e enfrentará toda a burocracia e a má vontade para conseguir receber o que tem direito para pagar suas contas. Quem já viu essa história?

Dave Johns, um ator de stand-up comedy, deu ao personagem um olhar terno e aquele peculiar humor que tanto faz a fama dos britânicos. Daniel Blake enfrenta horas daquelas musiquinhas impessoais de espera em intermináveis telefonemas que não trazem nenhuma resposta. Do outro lado da linha, quando é atendido, não há a quem apelar. É preciso seguir as regras, e elas não são necessariamente justas e nem estão ao lado dos que realmente precisam, como querem nos fazer acreditar as campanhas de marketing.

eu-daniel-blake-3
Dave Johns, um ator de stand-up comedy, deu a Daniel Blake um olhar terno e o peculiar humor inglês

A sequência inicial, quando tem de responder a um questionário sobre sua saúde, é de uma crueza imensa. Do outro lado da mesa, uma impessoal funcionária terceirizada apenas cumpre o protocolo antes da resposta de que não terá direito ao auxílio-doença e que terá de voltar a trabalhar. Como alternativa, Daniel Blake tenta obter o seguro-desemprego, e enfrenta mais uma maratona de dificuldades. O que querem de nós?

No meio do pesadelo, cruza com a jovem mãe solteira Katie (Hayley Squires) e seus dois filhos pequenos, que foi enviada pelo governo para uma cidade desconhecida. O drama da recém-chegada, que enfrenta múltiplos obstáculos para conseguir ajuda para alimentar os filhos, o comove e dá um certo sentido para sua vida. Vale lembrar que, além da fome, tem o frio, já que estamos falando do Norte da Inglaterra e aquecimento é item de sobrevivência. As contas se acumulam, a casa cedida pelo governo está em péssimas condições e, enfim, Daniel Blake coloca suas ferramentas de novo em ação.

eu-daniel-blake-2
No meio do pesadelo, Blake vai cruzar com a jovem mãe solteira Katie (Hayley Squires) e seus dois filhos

Uma das sequências mais duras do filme é quando a jovem, faminta, consegue finalmente ser atendida em um banco de doação de alimentos. Desesperada, abre uma lata ali mesmo, em pé, aos prantos, humilhada diante dos filhos, em uma cena de cortar o coração.

A certa altura, sem ter mais a quem apelar, Daniel Blake, resolve expor seu desespero com spray. “Eu, Daniel Blake, exijo uma data para minha apelação antes que eu morra de fome, e que se mude a merda de música no telefone”, escreve na parede do prédio do governo. É aplaudido por todos, mas acaba levado pela polícia. O desfecho é dos mais melancólicos, mas há um quê de esperança no fim dessa história toda. O governo pode não ajudar, mas ainda há solidariedade entre as pessoas. “Quando você perde o respeito próprio é o fim”, ensina o protagonista.

TRAILER

Sobre Daniela Prandi

Daniela Prandi, paulista, jornalista, fanática por cinema, vai do pop ao cult mas não passa nem perto de filmes de terror. Louca por livros, gibis, arte, poesia e tudo o mais que mexa com as palavras em movimento, vive cada sessão de cinema como se fosse a última.

Check Also

Pilar del Rio: momentos especiais na Flip 2017 (Foto Daniela Prandi)

O “milagre ateu” da Flip ou quem quer namorar Pilar, a viúva de Saramago?

Desde “José e Pilar”, documentário que revelou a intimidade intelectual do casal José Saramago e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *