Um documentário que parece, mas não é

DaniPrandi_0188c_500“Fogo no Mar” (Fuoco Mare), que venceu o Festival de Berlim deste ano, é um documentário, mas não parece. Dá a impressão de ficção ao retratar o drama dos refugiados que aportam na pequena ilha siciliana de Lampedusa e alteram a bucólica rotina dos cerca de 6 mil moradores do local. O cineasta italiano Gianfranco Rosi reinventa o gênero. Entre idas e vindas, Rosi viveu quase um ano em Lampedusa. Pelo olhar dos habitantes e pelo olhar dos que fogem da guerra construiu um retrato muito atual dos nossos tempos. Sem roteiro, em uma postura quase invisível, flagrou a vida como ela é.

A verdade que o formato documentário exige ganhou poesia, compaixão, solidariedade e um toque de crueldade em um filme repleto de inocência, dedicação, amor… e tristeza. Com a câmera na mão, nas poucas cenas em que realmente foca nos refugiados, registra legiões de homens, mulheres e crianças que arriscam a vida na travessia que pode ou não dar certo. E os olhos de quem não sabe o que o futuro trará – e quem sabe? – deixam resvalar, em meio às sombras, um lampejo de esperança. Nos rostos, as emoções que nenhum ator/atriz poderia reproduzir, fazem a gente se remexer na cadeira.

No outro lado da história, o garoto Samuele Puccilo, de 12 anos, um entre os tantos garotos das famílias de pescadores de Lampedusa, descobre que tem um olho “preguiçoso” e terá de usar tampão no olho bom para fazer o outro trabalhar. Seu maior problema passa a ser como manejar o estilingue tão cuidadosamente construído que o espectador acompanha desde o início. Samuele, aliás, é o grande contraponto do documentário, o que garante a leveza necessária para que não nos afoguemos nas dores dos outros. Quando a criança aparece, suspira-se.

o garoto Samuele Puccilo, de 12 anos, é um dos garotos das famílias de pescadores de Lampedusa e descobre que terá de usar tampão no olho; como manejar o estilingue passa a ser seu maior problema
Samuele Puccilo, de 12 anos, é um dos garotos das famílias de pescadores de Lampedusa e terá de usar tampão no olho; como manejar o estilingue passa a ser seu maior problema

 

Outros moradores de Lampedusa são enfocados. Ali estão o locutor da rádio local, que recebe os pedidos para tocar músicas românticas, a mamma que prepara a macarronada com frutos do mar, o pescador que mergulha nas límpidas águas em um árduo trabalho solitário mas, principalmente, o médico da comunidade, Pietro Bartolo, com toda a compaixão que pode carregar para cuidar dos recém-chegados. Vivos e mortos.

Os momentos de vidas até banais são cortados pela chegada de novas levas de refugiados. O diretor acompanha várias operações de socorro a barcos em perigo pela guarda costeira italiana, tão sobrecarregada. Lampedusa, que fica no meio do caminho entre o Norte da África e a Itália, recebeu, nos últimos 20 anos, cerca de 400 mil pessoas, das quais pelo menos 15 mil morreram na tentativa. A carga emocional tem seu ápice quando, mesmo que de longe, o diretor focaliza os corpos amontoados de quem não suportou a travessia.

“Fogo no Mar” foi um dos destaques do festival de documentários “É Tudo Verdade”, no final de abril, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Na ocasião, Rosi recebeu a atenção da imprensa e explicou porque que não faz filmes com roteiro. “Gosto de construí-lo no dia a dia, escrevo o roteiro com a câmera, enquanto filmo. Prefiro descobrir lugares e pessoas, ganhar a confiança delas e filmá-las em suas rotinas. Um roteiro, uma estrutura pré-estabelecida, é uma forma de limitação. Trabalho sozinho. Ninguém me viu filmando em Lampedusa. Não filmo todos os dias e, quando o faço, é só em determinadas condições de luz”, disse.

Gianfranco Rosi, diretor: "Escrevo o roteiro com a câmera, enquanto filmo. Prefiro descobrir lugares e pessoas, ganhar a confiança delas e filmá-las em suas rotinas. Um roteiro é uma forma de limitação"
O diretor Gianfranco Rosi: “Escrevo o roteiro com a câmera, enquanto filmo. Prefiro descobrir lugares e pessoas, ganhar a confiança delas e filmá-las em suas rotinas”

 

Antes de “Fogo no Mar” já havia chamado atenção por seu documentário “Sacro GRA”, que venceu o Festival de Veneza de 2013, sobre os moradores do anel rodoviário de Roma. E tanta inventividade tem um quê de contramão. “Hoje, muitos documentários se parecem porque os realizadores são obrigados a escrever roteiros de 40 páginas. São filmes comissionados. Eu me recuso a fazer coisas assim”, disse o cineasta. Ainda bem. Grazie.

TRAILER

Sobre Daniela Prandi

Daniela Prandi, paulista, jornalista, fanática por cinema, vai do pop ao cult mas não passa nem perto de filmes de terror. Louca por livros, gibis, arte, poesia e tudo o mais que mexa com as palavras em movimento, vive cada sessão de cinema como se fosse a última.

Check Also

Família expõe seus conflitos, no quarto filme de Lais Bodanzky (Foto Divulgação)

“Como Nossos Pais” põe na mesa o conflito mãe e filha e dá vontade de chorar

O almoço em família mal começou e os conflitos já estão no ar. Uma mãe, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *