Artigos Recentes

o-que-esta-por-vir-isabelle-huppert-1

“O Que Está Por Vir” retrata o implacável futuro que nos espera logo ali

O tempo passa… sabemos que mudanças virão, seja na vida pessoal ou na profissional, e o que há de se fazer? O filme “O Que Está Por Vir” faz uma brilhante reflexão sobre a incapacidade de controlar a passagem do tempo e suas consequências. No original, em francês, o título do filme da cineasta Mia Hansen-Love é justamente L’Avenir, ou seja, “o futuro”. A história começa com a visita ao túmulo do escritor François-René de Chateaubriand (1768-1848), em Saint-Malo, na Bretanha. Isabelle Huppert, que mais uma vez dá um show de interpretação, é a professora parisiense de filosofia Nathalie. Com o marido e os filhos pequenos, presta homenagem ao autor no túmulo solitário encravado na montanha. Anos depois, já cinquentona, ainda mais intelectual, com os dois filhos adultos, Nathalie equilibra-se entre a rotina com o marido (André Marcon), também professor, …

Leia Mais »
Crédito: Petticoat Brenda/creativescommons.org

O democrático presépio da tia Genoveva

Pra mim, o Natal não tem a importância mística a ele atribuído por muitos, simplesmente porque eu não tenho religião. Mas devo a essa incensada “data magna da cristandade” a primeira e, seguramente, uma das mais impactantes lições de tolerância da minha vida. Lá no sul de Minas, onde nasci, — pensando bem, acho que em todas as regiões do país — as famílias católicas tratavam de iniciar a montagem do presépio com semanas de antecedência ao Natal, aquele lance de ir progredindo a marcha dos reizinhos magos e povoando a manjedoura de bichinhos fofos. Tia Genoveva era professora aposentada, já velhinha, ainda que vistosamente empertigada como uma dama estampada num camafeu. Aristocraticamente culta, era ela que “tomava as lições” da filharada e sobrinhada, com o rigor que merecíamos. Católica fervorosa, das hostes das Filhas de Maria, é lógico que …

Leia Mais »
O filme de Hany Abu-Assad disputa uma vaga no Oscar 2017 na categoria filme estrangeiro; na foto, o verdadeiro Mohammed Assaf

Parece conto de fadas, mas é real: a história do primeiro “arab idol” da Palestina

No meio de todo sofrimento, a população de Gaza, na Palestina, não desgruda os olhos da TV. O ano é 2013 e o resultado do “Arab Idol” logo será anunciado. O programa que escolhe o melhor cantor(a) da temporada tem o poder de mudar vidas. Nada será como antes para aquele que for escolhido o “ídolo”, destaca o apresentador (sabemos que não é bem assim, tanto que, na versão brasileira, quem se lembra dos vencedores?). Mas, no mundo árabe, a incrível história de Mohammed Assaf, retratada no filme “O Ídolo”, será lembrada por muitas décadas por todo o simbolismo que carrega. Com direção de Hany Abu-Assad, o mesmo de “Paradise Now” (2006) e “Omar” (2014), o filme, o escolhido da Palestina para disputar uma vaga no Oscar 2017 na categoria filme estrangeiro, emociona ao contar uma história real em tom …

Leia Mais »
Crédito: V Dark Day/creativecommons.org

Tiro pela culatra

Dona Ana, de 79 anos, fincou a ponta da bengala no meio fio da calçada e, ao contrário do que seria lógico, esperou o semáforo liberar o fluxo para veículos e atravessou a movimentada avenida, fora da faixa de pedestres e em plena hora do rush, como se nem houvesse tido consciência da imprudência que lhe custou a vida: foi destroçada por uma van do transporte coletivo clandestino. O “suicídio da anciã” ganhou rapidamente as manchetes da mídia, impulsionado pelo conhecimento prévio de que a quase octogenária andava com bengala porque fora justamente atropelada anteriormente, o que deveria ter-lhe “vacinado” contra aquele surto de porralouquice. Segundo namorada e amigos, Zé Luiz, de 37 anos, sempre fora severamente acometido por uma rara combinação de acrofobia e agorafobia. O que não o impediu de, naquela manhã chuvosa, sair do apartamento térreo e …

Leia Mais »
“Curumim” repassa a história de Marco Archer, executado em 2015 na Indonésia, aos 53 anos, por tráfico de drogas

Nem mártir, nem herói: a história de “Curumim”, o carioca executado na Indonésia

“Curumim”, documentário que repassa a trágica história de Marco Archer, brasileiro condenado à morte por tráfico de cocaína na Indonésia em 2004 e executado em 2015, aos 53 anos, por fuzilamento, conta com um grande trunfo: não toma partido. Com dois temas tão polêmicos de fundo – drogas e pena de morte – o documentário não suaviza o personagem e muito menos adota um discurso pronto. Curumim, como era conhecido, não é herói, nem muito menos mártir. Apresentado no Festival de Berlim no início do ano, o filme tem rodado festivais e acaba de chegar ao cinema. Foi o próprio Archer quem encomendou o trabalho para o documentarista Marcos Prado, o mesmo do belíssimo “Estamira” e do filme de ficção “Paraísos Artificiais”, também sobre o mundo das drogas. A montagem é primorosa, com cenas gravadas na prisão de segurança máxima …

Leia Mais »