Artigos Recentes

oscar 2017 (1)

“Moonland” ou “La La Night”?: vexame na festa do Oscar 2017

  A festa está linda, ótimas companhias, diversão para todos lados, e bem na hora marcada para o gran finale um convidado escorrega, derruba tudo, arranca a toalha da mesa, logo o bolo está virado no chão… E todo mundo vai embora com vontade de comer bolo. Assim foi a festa do Oscar 2017. O que deveria ser o ápice da cerimônia de entrega dos melhores da temporada acabou em um grande vexame. Anunciaram “La La Land” como melhor filme, mas o vencedor era “Moonlight”. Logo o ato falho se tornou “meme”, com muitas referências ao recente concurso de Miss Universo, que teve o mesmo triste final. Warren Beatty e Faye Dunaway, a dupla “Bonnie e Clyde”, no filme lançado há 50 anos, foi a escalada para o anúncio do último prêmio. Beatty puxou o papel do envelope e fez …

Leia Mais »
Crédito: Arquivo pessoal

Abram alas para o bloco dos patetas

Pra mim, Carnaval e jornalismo passaram a ser palavrinhas difíceis de juntar depois de um certo episódio. Eu, que editava a capa do extinto e saudoso Diário do Povo, de Campinas, e o editor de fotografia dávamos tratos à bola pra parir uma manchete que não escancarasse tanto a pobreza plástica e conceitual que vitimava mais aquele Carnaval da nossa Região Metropolitana. Foi aí que o repórter e o fotógrafo chegaram à redação, eufóricos, mandando “parar as máquinas”, porque tinham a “grande matéria”. Apesar das caras amassadas deles, rescendendo a bebedeira incomensurável da noite anterior, nosso desespero era tal que fomos todos ouvidos pros intrépidos enviados a folia. O relato impressionou: imagine que uma escola de samba da região teve a coragem e a criatividade de homenagear o Galo de Ouro, o lendário bordel do Jardim Itatinga, onde, conta-se, texanos …

Leia Mais »
"Até o Último Homem" é baseado em história real do soldado-médico que se recusou a pegar em armas na Segunda Guerra Mundial

“Até o Último Homem” e “A Qualquer Custo”: filmes para duros na queda

A indústria do cinema comprova que são as mulheres que decidem qual filme o casal vai assistir, mas é preciso fazer concessões, para o bem da vida a dois, e encarar uns “filmes de durões” de vez em quando. Dois gêneros, o faroeste e o filme de guerra, que transbordam masculinidade, estão muito bem representados nesta temporada e com indicações ao Oscar 2017, cuja cerimônia será neste domingo (26 de fevereiro). “Até o Último Homem”, que marca o retorno de Mel Gibson à direção, e “A Qualquer Custo”, western sobre dois irmãos ladrões de bancos, são sobre homens, com a maioria do elenco composta por homens que pegam em armas, outra “coisa de homem” (é claro que há exceções, não quero generalizar nem muito menos polemizar), e espalham violência. “Até o Último Homem”, com seis indicações ao Oscar, incluindo melhor …

Leia Mais »
Crédito: Interdimensional Guardians/creativecommons.org

Isso é no que dá confiar

A baixíssima estatura (menos que um metro e vinte e olhe lá) e o corpinho esquelético eram os meus trunfos para driblar os fiscais da prefeitura durante os rapas”, cada vez mais frequentes e agressivos no camelódromo: eu conseguia ziguezaguear quase imperceptivelmente entre as pernas dos transeuntes, trôpegas por causa do reboliço. Certo que minha cabeçorra oferecia alguma dificuldade, porém nada que uns “licencinha!, licencinha!”, grunhidos com minha voz algo metálica, não resolvessem. Já a uma distância segura da repressão, ainda ouvia a torcida dos colegas camelôs que não tiveram a mesma sorte: “Força, anão, você vai conseguir mais uma vez!” Após adentrar, esbaforido, o quarto da pensão, antes mesmo de tomar fôlego, tratei de conferir se havia conseguido entochar todas as minhas mercadorias dentro da mochila surrada: tinha sim, os prosaicos e simpáticos bonequinhos de epóxi estavam lá, prontos …

Leia Mais »
O terceiro longa da diretora alemã Maren Ade, "Toni Eardmann", pode provocar risadas, mas há uma melancolia profunda no conflito de gerações

“Toni Erdmann”: seu pai não te entende, você não entende seu pai

  Em “Toni Erdmann”, forte concorrente ao Oscar de melhor filme estrangeiro, o protagonista é o alemão Winfried (Peter Simonischek), que tem um humor bem peculiar. Tira sarro de tudo e de todos e encara a vida como uma grande piada. Sacaneia o carteiro, seu aluno de piano e (muito mais) a própria família. Usa “disfarces”, como uma horrível peruca, carrega uma dentadura maluca no bolso da camisa e, a qualquer momento, se transforma em um outro. Um deles é Toni Erdmann, que o fará se reaproximar da filha, Ines (Sandra Hüller), workaholic mais conectada ao telefone celular do que aos seus. O terceiro longa da diretora alemã Maren Ade (que estreou em 2003, com “Floresta para as Árvores” e, logo no segundo filme, “Todos os Outros”, levou o Grande Prêmio do Júri do Festival de Berlim, em 2009) pode …

Leia Mais »