Artigos Recentes

Ilustração: Well, do estúdio Padoca

Insetos se alimentando das folhas de uma árvore interferem na formação de nuvens

Tudo está conectado. Eu, como uma criança que cresceu num sítio cercado pela natureza, aprendi logo cedo sobre essa importante lei dessa natureza. Num dia normal, nos meus 9 anos, saí para pescar com meu pai; era daqueles dias quentes de céu azul com poucas nuvens, e um sol de 40 graus torrando nossos miolos. No meio da pescaria tirei minha camisa empapada pelo suor e a joguei num canto. Meu pai, talvez na intenção de justificar aquele calor, me disse: “Sabia que você faz parte do céu?”. “Claro que sim”, respondi entediado, “O padre Zé me falou que, quando eu morrer, eu vou pra lá”. “Não é isso que eu quero dizer. Tá vendo aquelas nuvens lá em cima? Você sabia que uma parte de você tá lá?” Olhei pra cima e não entendi o que ele estava querendo …

Leia Mais »
Golshifteh Farahani faz Laura, a esposa de Paterson e sua única leitora e incentivadora, também uma jovem com sonhos banais

Em “Paterson”, Jim Jarmush prova que tudo na vida pode ser poesia

No ir e vir de uma vida sem grandes acontecimentos, um motorista de ônibus de uma pequena e pacata cidade de New Jersey cria poemas em “Paterson”, novo e carinhoso filme de Jim Jarmush. Qualquer coisa serve de motivo para seus escritos, até mesmo o rótulo de uma caixa de fósforos. Curiosamente, seu nome é Paterson, o mesmo da cidade onde nasceu, e também a terra-natal de um de seus poetas favoritos, William Carlos Williams (1883-1963). Paterson acorda todos os dias mais ou menos na mesma hora, sem despertador, abraça a mulher, come sucrilhos, caminha até o trabalho, roda com o ônibus, volta para casa, sai para passear com o cachorro e toma uma cerveja no bar antes de ir dormir. Parece uma vida banal, e talvez seja, a não ser pelo fato de que ele é um poeta. Jim …

Leia Mais »
Jaqueline_04

A coluna vertical da palavra – outro rastro

  do antes e durante – escuta que se escreve esperava intrigada pela pergunta. o que é? os olhos coreografavam movimentos lentos quando pesava as palavras. qual cardápio invisível, sem pauta, in-aberto, ela abrira? hipnotizada por si mesma, parou com os olhos na parede, piscou e com uma certeza, que só a alegria conhece, pronunciou o que encontrara. o prazer de nomear e depois… há momentos de puro-estar-ali   ela – 9 anos – por que foi importante para você aprender a escrever? – para escrever minhas coisas favoritas, mensagens, textos, livros e as letras que formam as sílabas que formam as palavras. começa de um risco e vai formando um desenho e é isso. – você acha importante saber pontuação? – sim, sem a pontuação não iria ter começo, não iria ter pausa e não haveria fim. – o …

Leia Mais »
Fórum cartaz

4º Fórum Internacional do Patrimônio Arquitetônico Portugal/Brasil

É com grande satisfação que faço passar ao conhecimento dos leitores do nosso Blog a 4º edição do Fórum Internacional do Patrimônio Arquitetônico Portugal/Brasil, que acontecerá entre os dias 25 e 26 de maio próximo em Portugal na cidade de Felgueiras. O Fórum é realizado anualmente intercalando as discussões entre os dois países, cada ano em um país. É uma oportunidade de debate bilateral dirigido aos técnicos, comunidade científica, empresas, agentes culturais, Câmaras Municipais, instituições ligadas à preservação e manutenção do patrimônio e a todos os interessados por este tema. Sua primeira edição se deu em Campinas (SP) em 2014, quando foi firmado um convênio de cooperação entre a PUC-Campinas, o IAB Campinas e a Universidade de Aveiro – Portugal, sendo promovido pelo CAU-SP (Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo). Um sonho idealizado entre a arquiteta Dra. Alice …

Leia Mais »
Milton Jung/creativecommons.org

Panteão dos desvalidos

Para os transeuntes apressados, rumo ou de volta ao trabalho e outros afazeres de “gente normal”, aquele trecho do centro velho da cidadona não passava de uma infestação por moradores de rua, entregues à apatia e à malandragem típica dos sobreviventes sociais. Estavam certos, de certo modo. Porém, não sabiam tudo. Tampouco modificava a percepção os pedaços de diálogos eventualmente entreouvidos: afinal, aqueles desafortunados estavam sempre sob efeito de uma dieta maléfica à base de muita pinga batizada com metanol e algumas pedritas de crack. Por isso, pode ter passado totalmente batido o papo esperto travado entre Fidid0 e Mestre Ranço. O primeiro era mais um sem-teto indistinguível naquela massa de desvalidos. Já Mestre Ranço demonstrava razoável capacidade de memória e, mentisse ou não, teria origem até nobre: pertencera a uma família de inclinação protestante histórica e chegara até a ser …

Leia Mais »